Cronologia do cangaço em Buíque

Cronologia do cangaço em Buíque

Primeira década do século XX

  • Em outubro de 1916, Casimiro Honório e um numeroso bando de cangaceiros, cercaram a fazenda Jacaré, promovendo depredações e ameaçando moradores, exigindo que abandonassem as propriedades. O capitão João Nunes – comandante da força volante notificou por telegrama o chefe de polícia. | JORNAL DO COMMERCIO. Telegrama do capitão João Nunes. 18 de outubro de 1916.


Década de 20

  • Em 17 de fevereiro de 1920, numa distância de quatro léguas de Buíque (Sede), no lugar chamado Pau-ferro, Lampião assassina o fazendeiro Joaquim Severo, que entre outros revidava o ataque efetuado pelo bando, ficando uma soma de oito mortos que defendiam a fazenda. | A PROVINCIA. 24 de fevereiro de 1920.
  • Em maio de 1921, foi encontrado morto (supostamente a pauladas) na Serra do Catimbau, o célebre cangaceiro Antonio Leite. | JORNAL DO RECIFE. Morte de um célebre criminoso. 21 de maio de 1921, p.4. | JORNAL DO RECIFE. 18 de julho de 1921.
  • Em janeiro de 1927, Lampião sequestra o juiz de direito da comarca de Buíque Dr. João Evangelista, na estrada de Rio Branco (Arcoverde). João era proprietário de terras no Brejinho, em Buíque. Seguia pela estrada em seu veículo, no sentido Buíque – Rio Branco, onde tomaria um trem para Recife. Para ser solto, cobrou-se a quantia de vinte contos de réis que após ter sido paga, garantiu a liberdade daquele juiz. | JORNAL DO COMMERCIO. Janeiro de 1927. | O COMBATE. O terror dos sertões – novos saques de Lampeão. 30 de dezembro de 1926, ano XII.
  • No dia 28 de Janeiro de 1927, Lampião e seu bando foram surpreendidos pela força policial pernambucana, há quatro léguas de distância da Sede de Buíque, perdendo quatro integrantes e deixando doze cavalos para trás, o bando seguiu em fuga com alguns feridos. | ESTADO. Em luta com Lampeão. 29 de janeiro de 1927.
  • Em Agosto de 1935, cangaceiros de lampião invadem propriedade na Lagoa do Braz e assassinam no sítio Mucunã, o vaqueiro José Pinto e um de seus filhos. | CORREIO DE SÃO PAULO. Lampeão. 02 de agosto de 1935, ano IV.
  • Em 21 de outubro de 1927, Lampião e seu bando foram surpreendidos na Várzea Formosa – Buíque, por forças pernambucanas comandadas pelo sargento João Alves Manoel de Mello e o cabo Liberato. Abriram fogo contra o grupo que revidou e seguiu em fuga deixando marcas de sangue de algum dos cangaceiros ferido pela volante. | JORNAL DO COMMERCIO. 21 de outubro de 1927.

Década de 30

  • Virgínio (cunhado de Lampião), acompanhado por mais sete homens e uma mulher, chegou ao Catimbau no dia 22 de maio de 1936 e havendo encontrado o agricultor Manoel Bezerra Lourenço que seguia para o trabalho, obrigou o rapaz a pegar um animal que pastava ali próximo. Feito o mandado, Virgínio fez o jovem de 22 anos tirar a roupa, golpeando sua genitália com um trinchete. Dizendo em seguida para tratar com sal, vinagre e cinza. Horas depois, Manoel foi levado para Rio Branco (atual Arcoverde) de onde seguiu de trem para o Recife, chegando ao Pronto Socorro no dia 26 de maio e em estado grave, passou por intervenção cirúrgica, sobrevivendo ao ataque. Na época os cangaceiros andavam armados com fuzis mauser 1935. | A ORDEM, O grupo de Lampião está cercado pela polícia de Pernambuco e Paraíba na Serra do Frango, Natal. 27 de maio de 1936, nº248, ano I. | CORREIO DA MANHÃ. Sequazes de lampeão na prática de barbarias. 26 de maio de 1936. | CORREIO DE SÃO PAULO. O bando de “lampeão” cercado pelas forças policiaes da parahyba e Pernambuco. 26 de maio de 1936, ano IV.