Vaqueiro Nordestino

A Vestimenta do Vaqueiro Nordestino e suas raízes Islâmico-ibéricas

A vestimenta do vaqueiro nordestino é uma peça fundamental da cultura e identidade dessa região do Brasil. Composta por uma série de utensílios e elementos, sua história remonta a um passado marcado pela influência islâmica ibérica.

Ao longo do tempo, a simbologia desses elementos foi gradualmente se apagando da memória dos desbravadores do sertão nordestino. No entanto, ainda hoje é possível encontrar várias particularidades que nos remetem à origem islâmica dessas vestimentas.

Um dos principais componentes da vestimenta do vaqueiro é o matulão. Esse termo tem sua origem na palavra árabe “maftulah”, que significa “saco de viagem”. O matulão é uma espécie de bolsa grande, feita de couro resistente, que o vaqueiro utiliza para carregar seus pertences durante suas jornadas pelo sertão.

Outro item característico é o alforge, que deriva do termo árabe “al-hurj”. Trata-se de uma bolsa de couro usada para carregar alimentos, ferramentas e outros objetos essenciais para o vaqueiro em suas atividades diárias. O alforge é uma peça prática e resistente, adaptada às necessidades do trabalho no campo.

A algibeira é mais um elemento presente na vestimenta do vaqueiro nordestino. Essa bolsa menor, utilizada para guardar pequenos itens, tem sua origem na palavra árabe “al-jibaira”. Geralmente presa à cintura ou ao cinto, a algibeira é útil para armazenar objetos de valor, como moedas e documentos importantes.

O açoite é um instrumento de trabalho essencial para o vaqueiro, utilizado para conduzir o gado. Sua origem remonta ao termo árabe “as-sawt”, que significa “chicote”. O açoite é feito de couro trançado ou tecido resistente, com uma extremidade em forma de tira, permitindo que o vaqueiro o manuseie com precisão para guiar o gado durante as atividades de pastoreio.

Na vestimenta do vaqueiro, também encontramos a alpercata, um tipo de calçado tradicional. A palavra “alpercata” tem sua origem no árabe “al-barghat”. As alpercatas são feitas de couro ou tecido, com solado de borracha ou madeira, proporcionando conforto e proteção aos pés do vaqueiro durante suas jornadas no campo.

Outro elemento é o safão, uma espécie de capa usada pelo vaqueiro para se proteger das intempéries e do frio. O termo “safão” vem do árabe “saqún”. Essa peça é confeccionada em tecido resistente, geralmente com forro interno, e é usada sobre a roupa do vaqueiro para proporcionar proteção extra contra o vento e a chuva.

O gibão é uma peça de vestuário que também faz parte da indumentária do vaqueiro nordestino. Sua origem remonta à palavra árabe “juba”. O gibão é uma jaqueta de couro, geralmente adornada com detalhes bordados ou trançados, conferindo ao vaqueiro uma aparência elegante e distintiva.

Além dos utensílios e vestimentas, a arte feita no couro lavrado também possui uma conexão direta com a cultura islâmica ibérica. Conhecida como guadameci, essa técnica consiste em decorar o couro com padrões geométricos e arabescos intricados. O termo “guadameci” vem do árabe “gadamisií”. Essa arte tradicional está presente em diversas peças da vestimenta do vaqueiro, como cintos, selas e outros acessórios, agregando beleza e valor cultural ao conjunto.

Assim, a vestimenta do vaqueiro nordestino é muito mais do que uma simples roupa de trabalho. Ela representa uma herança cultural rica e diversa, que evidencia a influência islâmica ibérica e a importância desses desbravadores do sertão na construção da identidade regional. Cada elemento presente nessa vestimenta carrega consigo séculos de história, tradição e resistência, mantendo viva a memória daqueles que ajudaram a moldar o Nordeste do Brasil.

Postado em História e marcado como , , , , , , , , , , , , , , .

Publicitário, fotógrafo e pesquisador da história buiquense.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *