Pedra de 1753 que demarcava o patrimônio da matriz de Buíque

Pedra de 1753 que demarcava o patrimônio da matriz de Buíque

A 5 de fevereiro de 2019, por volta das 16h:30min, o Padre Antônio Ferreira e o pesquisador Paulo César Barmonte, seguiram até o trecho inicial da estrada que liga Buíque ao Riachão, para atestar a presença de uma antiga pedra fincada no solo de um dos terrenos situados à margem direita. Trata-se de um marco histórico que havia caído no esquecimento.

Durante uma entrevista o Padre Antônio Ferreira, a 10 de janeiro de 2019, recordou ele sobre quando ainda muito jovem, seguia num veículo de lotação pela estrada que liga o centro da cidade ao Riachão, quando ouviu um senhor comentar sobre uma pedra, enquanto apontava sua direção, dizendo ter sido fincada naquele local para demarcar um dos limites das terras doadas por Félix Paes de Azevedo no início da povoação de Buíque. Na época, a pedra podia facilmente vista por quem passasse pela estrada – logo após o cercado de um terreno com vegetação rasteira.

A curiosidade fez com que o padre e o pesquisador, saíssem em busca da tal pedra. E lá estava… Envolvida por um arbusto espinhoso, invisível aos olhos de quem trafegasse pela estrada. A base externa deixava à amostra 30cm sobre o solo e outra parte quebrada com 40cm de comprimento ao lado de sua base de origem. A pedra de granito rosado mede em sua totalidade: 1,8m de altura x 30cm de largura; 9cm de espessura na base que se expande até os 15cm na parte superior, pesando cerca de 130kg. As coordenadas de sua localização são: Lat. -8.616112 | Long. -37.143734.

Marco da Matriz de São Félix de Cantalice - Buíque

Nicácio Pereira Falcão, irmão de Félix Paes de Azevedo faleceu em 1752. Metade das terras da fazenda lagoa seguem por herança à esposa e filhos. Em 1753, Félix Paes de Azevedo, doa metade de suas terras aos sobrinhos: Julião de Matos Garcês e Francisca dos Prazeres, à outra parte é doada como patrimônio da capela que começa a ser construída naquele ano. Época m que ocorre a demarcação das terras. É possível que ao menos 4 pedras como a que foi encontrada, tenham sido usadas para delimitar as 500 *braças quadradas doadas por Félix Paes de Azevedo.

Assim, a partir da capela de São Félix, foram distribuídas 500 braças ao Norte (equivalente a 914,40m); outras 500 ao Sul e a mesma proporção para o Leste e Oeste (constituindo um quadrado de 500 braças para cada lado). A capela foi construída com a face voltada para o lado Sul (de frente para a lagoa que dava nome à fazenda). A construção da capela começa em 1753, sendo findada depois de junho de 1754.

Em 1853 – 99 anos depois de construída, a capela é demolida e reconstruída com a fachada voltada para o leste (como é conhecida atualmente).

Tantos cidadãos ilustres e tomadores de decisões que moldaram a história da cidade passaram à beira daquela estrada e ela já estava lá. Quantos passaram sobre cavalos a trotar, caminhando, sentados sobre uma carroça ou escondidos por trás das janelas de um carro a fitar por alguns segundos uma simples pedra rosada, desconhecendo o real propósito dela estar ali. Era apenas mais uma pedra servindo como obelisco de um formigueiro e envolvida num forte abraço de espinhos, dado pela natureza a mando do tempo. Provavelmente, levada por um escravo sobre uma carroça puxada por um animal.

Tomando conhecimento sobre a pedra, o Secretário de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer – Esildo Barros Ramos, prontificou-se em providenciar sua remoção para o Museu Municipal.

Com o passar dos séculos, as pedras usadas para a demarcação, caíram no esquecimento. Mas, graças as memórias de antigas conversas e lembranças compartilhadas, tornou-se possível o resgate desse marco histórico buiquense – oriundo do período colonial até a data de sua remoção: 11 de maio de 2019 – véspera do aniversário de 165 anos de emancipação política de Buíque. A pedra desceu a rua São João Seminário, 266 anos depois, sobre uma carroça.

É apenas uma pedra. Contudo, de valor icônico que representa em si, a história vivenciada por várias gerações. Agora com novo endereço, o museu da cidade.

*Braça é uma antiga unidade de medida de comprimento que equivale a 10 palmos, o mesmo que 2,2m (Brasil). 1 palmo é igual a 8 polegadas que é igual a 22cm. No sistema de medição inglesa, a braça possui cerca de 1,8m.

SOBRE O AUTOR

Publicitário, fotógrafo e pesquisador da história buiquense.

POSTS SUGERIDOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Traduzir »
TAMANHO DE FONTES
CONTRASTE
error: Página protegida