• Amaraji: termo oriundo de amaragy – significando rio formado pelas chuvas; o nome da cidade foi posteriormente alterado para Amaragi e por último: Amaraji.
  • Araçoiaba: ûará (guará [ave]) + aso’îaba (manto de penas): manto de penas de guarás.
  • Bodocó: Segundo Orlando Bordoni, no Dicionário da língua tupi. Bodocó vem de: Bó (rasgar)+ odó (carne) + rocó (roça). significando “preparo de carne na roça”. Daí origina-se o termo “carne de sol”.

Buíque: Existem várias definições para o termo: A primeira versão diz que a expressão surgiu do fato em que os indígenas locais faziam uso de uma espécie de apito feito com parte do fêmur humano que emitia som parecido com “buiiique”; Luís Caldas de Tibiriçá diz que a origem vem de “mboi” (cobra) + yg (rio/água) – ou seja: rio de cobras; Sebastião Vasconcelos Galvão diz que vem de mboi (cobra) + ike (aqui, neste lugar) = lugar de cobras; Alfredo de Carvalho diz que vem de yby (terra ou solo [tupi]) + yique (sal [guarani]) = terra do sal ou sal da terra. Em complemento à definição de Alfredo de Carvalho, Theodoro Sampaio diz que yby encontrava-se com variação para “bu”, formando assim: bu+yique.

  • Cabrobó: Junção de caa (mata) + Orobó (variação de urubu – que vem de uru (ave grande) + bu variação para “preto”: ave grande e preta) – significando: mata do urubu.
  • Caetés: vem de kaeté: caa (mata) + eté (verdadeira) = mata verdadeira, virgem, nunca roçada. O nome também designa uma antiga tribo indígena que habitava o litoral brasileiro, entre Pernambuco e Paraíba.
  • Calumbi: nome popular de uma árvore – o mesmo que Jurema-preta [a cidade é banhada pelo rio Pajeú e até 1918 chamava-se São Serafim].
  • Caruaru: Caruara+aru – o que come sapo [município conhecido como a capital do forró].
  • Carnaíba: o mesmo que carnaúba – palmeira da família Arecaceae, endêmica do do Nordeste brasileiro.
  • Carpina: vem de Karapina – uma variedade de pica-pau; daí surge o termo carpinteiro (por ambos trabalharem com madeira), posteriormente inserido na língua portuguesa com a variante: carpina.
  • Camaragibe: Camara+y+pe – Rio dos camarás. Sendo camará uma planta aquática; y = rio e pe (com variação para be) um indicativo de lugar na língua tupi.
  • Camocim de São Félix: Camocim significa vaso com água; São Félix é o padroeiro desta cidade.
  • Camutanga: referência a uma espécie de vespa (marimbondo); os antigos habitantes chamavam o local de caanga, o mesmo que casa de marimbondos.
  • Catende: Caa (mato) + t-endy (iluminada) – mata iluminada ou brilhante.
  • Cumaru: Árvore leguminosa amazônica e de grande porte. Seu fruto contém uma semente conhecida na Europa como fava-da-índia e no Brasil como fava-tonca.
  • Cupira: Abelhas que se aproveitam de cupins abandonados para fazer seus ninhos, produzindo mel de baixa qualidade. As espécies mais comuns são a partamona cupira, a Partamona testacea e a Mellipona pallida. Também conhecidas por boca-de-barro, boca-de-sapo e cupineira.
  • Garanhuns: Plural de garanhum; originado de uraanhu – homem do campo; outra versão para o nome aponta: Guirá (pássaro) + nhum (variante de preto) = pássaro preto.
  • Glória do Goitá: Junção do nome da padroeira da cidade: Nossa Senhora da Glória e Goitá – Gua (baixa) + Itá (pedra) = pedra baixa.
  • Gravatá: Kaa’rakua’tã – kaá: folha, planta, rákua: ponta, tã (antã) duro – folha de ponta dura ou pontiaguda. O mesmo que caraguatá, croatá, caroatá ou caroá [município conhecido como a Suíça pernambucana].
  • Iati: Gargalo ou pescoço de cabaça; bico de vaso ou vaso com bico.
  • Ibimirim: Yby+mirim – terra, solo ou chão pequeno [município localizado no sertão do Moxotó | lugar lendário onde as pessoas não morriam, não havia dor ou sofrimento].
  • Ibirajuba: Junção de ybirá: (árvore, tronco, madeira) + yuba (amarelo) = Árvore amarela.
  • Igarassu: ygara+açu – canoa ou barco grande.
  • Iguaraci: de Yguaracy, sendo y (água) e guaracy (o sol) =  água ou rio do sol.
  • Inajá: Palmeira da família das Aracáceas, nativa da Amazônia e Centro-Oeste do Brasil. É também conhecida como anaiá, anajá, aritá, maripá ou najá.
  • Ipojuca: Vem de Iapajuque e significa: Pântano ou água escura.
  • Ipubi: Ipu (poço) + obi (verde) = poço ou fonte verde.
  • Itacuruba: Itá (pedra) + curub (enrugado) = pedra áspera, enrugada; variação: Itacuruva [município localizado no Sertão do São Francisco].
  • Itaenga: Ita (pedra) + nheeng (fala) = pedra que fala.
  • Itamacará: Ita (pedra) + mbara’ká (chocalho) = pedra do chocalho ou pedra que canta. Ilha próxima a Recife, onde viviam os índios Caetés.
  • Itambé: Ita (pedra) + embé (lábio) = lábio de pedra, pedra com corte.
  • Itapetim: Ita (pedra) + pe (termo de ligação) + tinga (branco): Pedras brancas.
  • Itapissuma: Ita (pedra) + xuma (a cor negra) = pedra negra. O termo designava as pedras negras e moles às margens do Canal de Santa Cruz, próximo à referida cidade.
  • Itaíba: Árvore conhecida pelo nome “Pau-ferro”, também chamada: itajiba, itaúba e itaúva.
  • Itaquitinga: Ita (pedra) + ky (aguçada) + tinga (branca) = pedra aguçada e branca.
  • Jaboatão dos Guararapes: Yapoatan (árvore de tronco reto) + Uarará (tipo de tambor) + Pe (no local) = lugar das árvores de tronco reto para tambor; no local havia em abundância a árvore chamada yapoatan, que era usada para o feitio de mastros para navios.
  • Jataúba: do tupi: Ietaýua; o mesmo que Jataíba ou carrapeta – variedade de palmeira (Hymenaea courbaril).
  • Jucati: Nome indígena de planta local desta cidade.
  • Jupi: Significa: Planta com espinhos.
  • Jurema: yu-r-ema, sendo yu ou ju (espinho) e rema (odor, cheiro) espinho com odor.
  • Macaparana: Macapá + rana = semelhante ao Macapá; Macapá significa: lugar de muitas macabas (árvore frutífera sertaneja).
  • Manari: Amana-r-i = Riacho da água das chuvas. Comparativo derivado de um rio que corria nas proximidades.
  • Mirandiba: nome indígena para o porco queixada.
  • Orobó: Nome de planta da família das leguminosas (Vicia ervilia), cujas vagens contém sementes de sabor amargo – cultivada para alimentar animais, devido seu valor nutritivo. É também conhecida como ervilha-de-pombo.
  • Ouricuri: Airi (cacho) + curi (amiudado) = pequeno cacho. Nome de palmeira nativa do Brasil (Syagrus coronata), comum entre Piauí e Pernambuco a Minas Gerais.
  • Paranatama: Paraná (rio) + retama (terra, lugar) = região dos rios.
  • Parnamirim: De Paraná-mirim. Sendo Paraná (rio) + mirim (pequeno) = Rio pequeno.
  • Passira: Segundo o historiador Sebastião Galvão, o termo significa: que acaba em ponta de flexa.
  • Quipapá: nome oriundo de uma cactácea conhecida como quipá.
  • Quixaba: do tupi quessaba – significando: lugar de dormir, rede.
  • Sanharó: significa “zangado”. Espécie de abelha meliponídea de cor preta (Trigona amalthea); também conhecida como arapuá [o município é conhecido pelo fabrico de queijo e produção de leite].
  • Sairé: Cesto feito com cipó em formato de semicírculo.
  • Sirinhaém: junção de siri (crustáceo decápode) e nha’em (prato) – prato de siri. O nome da cidade faz referência ao rio de mesmo nome que a banha. O termo siri tem origem de si’ri que no tupi significa: correr, deslizar ou andar para trás.
  • Surubim: Peixe brasileiro da família dos silurídeos.
  • Tabira: nome de um chefe da tribo dos Tobajara (ou Tabajara), aliado dos portugueses que ajudou Duarte Coelho (primeiro Donatário de Pernambuco) na luta contra os indígenas Caetés.
  • Tacaimbó: junção de tacã + iembó – Riacho dos galhos (ou ramos).
  • Tacaratu: Significa furna curta ou caverna superficial.
  • Tamandaré: Possíveis significados: tamanduaré (semelhante ao tamanduá); taba + moi + nda + ré = aquele que fundou um povo.
  • Taquaritinga do Norte: takwar (taquara [espécie de gramínea – o mesmo que taboca ou lasca de bambu]) + y (rio) + tinga (branco) = rio claro das taquaras.
  • Timbaúba: de timbo’iwa = árvore da espuma. Árvore da família das leguminosas (Stryphnodendron guianense), também conhecida como Timbaúva.
  • Toritama: há divergências no significado. Contudo, de acordo com o Portal dos Municípios: tori (significa pedra) + tama (região) – lugar de pedras – alusão às formações rochosas com cerca de 30m à margem direita do rio Capibaribe.
  • Tupanatinga: Termo oriundo do tupi moderno, também conhecido por nheengatu (nheen = língua + gatu = bom): “língua boa”. Tupana é uma versão adaptada do termo tupan (deus) com acréscimo do artigo “a” para figurar o aspecto feminino à expressão que originalmente não existia [deusa ou santa]. Somado a “tinga” (branco), resultou-se em deusa branca, o arranjo mais próximo para “Santa Clara” [antigo nome do município quando distrito da cidade de Buíque].
  • Tuparetama: Tupã (Deus) + retama (lugar natal) = algo próximo de pátria de Deus, lugar de Deus.
  • Tracunhaém: Segundo Theodoro Sampaio, o termo significa “panela de formiga”.
  • Xexéu: Ave da família dos icterídeos, conhecida por imitar o canto de outras aves; o mesmo que Japi.